Você sabe quais são as características e como é produzido o vinho rosé?

Os vinhos são peças fundamentais para abrilhantar qualquer ocasião, afirma Marco Antonio Carbonari. Com uma gama enorme de sabores, aromas e tipos, se enquadram em diversos eventos e comemorações. Um vinho próprio para o verão é o rosé, conhecido pelo seu frescor, torna as noites quentes de verão em verdadeiros luaus.

Com uma tonalidade rosa, as uvas para sua produção são de excelente qualidade e requinte: as mais conhecidas são as uvas de castas Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Carignan, Merlot, Chardonnay e Syrah, narra Marco Antonio Carbonari.

Além disso, o vinho rosé apresenta um sabor único, é uma linha tênue entre os vinhos tinto e branco, porém seu corpo não se baseia apenas em uma comparação frívola e simples, pois é marcado pelo seu frescor e sabor incomparável, muito apreciado por habitantes de países tropicais, indica-se que se tome o vinho em uma temperatura baixa, de 12 a 13 graus, avultando ainda mais o sabor.

Em se tratando do processo de obtenção do vinho rosé, ele pode ser feito, basicamente, de duas maneiras: através da mistura do vinho tinto e do vinho branco ou por uma maceração leve das uvas, ressalta Marco Antonio Carbonari.

O primeiro processo envolve uma série de técnicas, vale ressaltar que não consiste em apenas misturá-los, é preciso de métodos imbuídos de metodologia e precisão, narra Marco Antonio Carbonari. Essa técnica é conhecida como corte, blend ou assemblage.

Acerca da maceração, no início do processo de produção do vinho, as uvas são esmagadas e a depender do objetivo de fabricação, fica por mais ou menos tempo em contato com as cascas. O vinho branco, por exemplo, o suco (mosto) é separado imediatamente após sua extração, já o vinho tinto, a maceração é estendida por dias. No caso dos vinhos rosés a maceração é feita de forma reduzida, tornando, assim, sua coloração rosada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui